{Meu relato de parto}

[Eu nem tentei deixar esse texto pequeno, eu tentei colocar aqui todo o processo pra chegar onde chegamos, e tudo que senti naquele dia. Vai ser textão.]

Eu ainda estou tentando assimilar tudo que aconteceu no dia do meu parto. A verdade é que é o dia mais intenso e mais lindo que aconteceu na minha vida.

ANTES

É engraçado, lembro que quando descobri que tava grávida, eu sabia que queria um parto natural, mas eu nunca tive o que tantas chamam de um “parto dos sonhos”. Eu só queria que meu filho viesse ao mundo no tempo dele, sem nenhum tipo de droga, e se possível, fora de um hospital. Basicamente era isso.

A gente ainda morava em Montreal, e lá eu estava lutando pra conseguir uma casa de parto, já que eu não acreditava que nossa casa era adequada pra isso. Com a mudança pra Oshawa, e na nossa nova casa, eu não tinha mais dúvidas: eu queria um parto em casa.

Aqui no Canadá tenho a opção de fazer o acompanhamento da gravidez com o obstetra ou com as midwives (que são tipo as enfermeiras obstetras no Brasil), e assim que chegamos eu fui atrás de achar uma midwife pra chamar de nossa. Marquei duas consultas em locais diferentes, e quando chegamos na segunda consulta, saímos de lá com a certeza que tínhamos encontrado quem ia acompanhar a gente. Nós ficamos então no team 6, com a Shannon e a Alexia.

Pensando hoje, minha gravidez foi linda. Eu já to com saudade de estar grávida, juro! Tirando o enjoo que durou até praticamente o sétimo mês, e as dores normais de gravidez (lombar, pé da barriga, cansaço eterno), tudo ocorreu bem, tanto comigo quanto com o Marvin.

Lá no finalzinho, veio uma preocupação, no exame de sangue vimos que meu nível de ferro no sangue estava baixo, e se continuasse como estava, as midwives não recomendavam mais o parto em casa por risco de hemorragia. O mais legal de tudo isso, é que apesar de elas não recomendaram, a escolha final é sempre minha.

Bom, foram semanas tomando suplemento de ferro, e com alimentação focada em melhorar meu nível do ferro, e no último exame, chegamos ao que elas falaram de “nível aceitável” para o parto em casa.

As semanas foram passando, nossas consultas começaram a ser semanais, parei de trabalhar com 38 semanas, meus pais chegaram, e dia 5 de novembro, a data prevista de parto, ia se aproximando.

Na última consulta antes da data prevista, a Alexia nos explicou o que aconteceria caso ele não nascesse até 41 semanas e 3 dias. Uma longa conversa sobre possíveis induções e aí, meu plano de ter em casa não funcionaria mais.

Passei a conversar e explicar pro Marvin tudo isso. Lembro de um dia naquela semana sentada sozinha eu falar pra ele que eu queria muito que ele viesse no tempo dele, mas que se ele continuasse ali até dia 15 de novembro, eu teria que ajudar um pouco.

Dia 30 de outubro tivemos consulta, e fizemos o deslocamento de membrana, que nada mais é que um método mais natural de ajudar a induzir o parto. Se o bebê estiver pronto, o procedimento ajuda a iniciar o trabalho de parto, se ele não estiver pronto, é só um procedimento bem doloroso mesmo. E foi só isso, uma dor horrível. Marvin não tava pronto ainda.

Chegou dia 4. Tive algumas contrações de treinamento, bem espaçadas e com durações diferentes. Liguei pra Alexia, falei como estavam as contrações, e ai ela me falou que estava doente, e que caso eu entrasse em trabalho de parto aquele dia ou no dia seguinte, eu teria outra midwife, porque ela infelizmente não poderia vir (a Shannon estava de férias). Fiquei com medo, mas óbvio que entendia a situação. Tomei um bom banho de banheira, e as dores foram embora. Ainda não era o trabalho de parto.

Dia 5 chegou, 40 semanas. E foi um domingo como outro qualquer, uma barriga enorme, dores leves, expectativa, e só. A noite foi chegando e eu percebi que o Marvin não queria dividir o dia dele com ninguém (o avô do Léo e meu tio fazem aniversário dia 5).

[auto retrato no dia 5, que saudade da minha barriga!]

Eu já tinha consulta agendada pra segunda dia 6 no período da tarde, e logo de manhã me ligaram pra remarcar pra dia 7, porque a Alexia continuava doente. Então tá, vamos lá pra mais um dia grávida. E esse foi meu último dia grávida do Marvin.

DURANTE

Acordei com um susto enorme, e vi que eu tinha molhado toda a cama. Léo, acorda, minha bolsa estourou. Olhei no relógio, era 2:45 da manhã. Respirei fundo, mandei a ansiedade embora, eu sabia que isso não era necessariamente um sinal de que o Marvin estava chegando. Eu poderia esperar mais 4 dias inclusive. Mas logo em seguida eu senti uma dor forte. Baby, isso foi uma contração! Bora começar a monitorar. Uma hora monitorando, contrações a cada 3 minutos, com duração de 1 minuto. A gente só liga pra midwife quando estamos com contrações por uma hora a cada 5 minutos e com 1 minuto de duração, o famoso 5:1:1. Bom, acho que tá na hora de ligar. Ligamos. Lembro vagamente do Léo falando com a Alexia, e ela pediu pra falar comigo, me perguntou como estavam as dores, pra mim elas estavam fortes, bem fortes. Ela nos disse então que estava a caminho.

As contrações doem. Uma dor única, forte, intensa. Mas eu tava preparada pra elas. Eu soube respirar, soube encarar uma de cada vez sem pensar na próxima. Eu dormia entre cada contração, sim, dormia! Lembrei dos exercícios de respiração, e pensava o tempo todo sem parar: eu sei parir e meu filho sabe nascer, I’m the one with the force and the force is with me. JURO, esses foram meus lemas durante meu parto. Talvez eu seja fã de Star Wars, talvez.

Comigo o tempo todo eu tive o Léo, que me deu força, me incentivou, não me deixou desistir, me deu ombro pra dormir, aguentou cada contração do meu lado, e me lembrou o tempo todo o que eu precisava lembrar: eu ia conseguir! E também minha mãe, que me fez massagem, me dava água, amor, e força. Meu pai também estava em casa, mas ele só aparecia as vezes, me dava um beijo e um cheiro, e saia. Eu sabia que pra ele não ia ser tão fácil me ver com dor.

[eu dormindo entre contrações, e Léo me dando toda a força que eu precisava ❤️]

Eu entrei na tal da partolândia bem no começo. Lembro de tudo meio espaçado, e tem coisas que nem me lembro, que eles falam, e eu acho que ouvi ou vi, mas não tenho a lembrança clara na minha cabeça. Eu só tenho a lembrança de sentir o Marvin chegando. Ele realmente estava chegando. Me conectei com meu corpo e com meu filho, entrei realmente num mundo que era só meu e do Marvin. Faltava muito pouco pra tudo que eu tava vivendo nos últimos 9 meses se tornar real, pra gente ver a carinha dele, que eu nunca consegui imaginar como fosse.

Alexia chegou por volta de 5 da manhã. Checou minha pressão, batimentos do bebê, tudo certo. Vamos ver como tá a evolução? Vamos! 2 a 3 centímetros. Eu sabia que ainda era bem pouco. Não fiquei chateada, faz parte do processo. Ta tudo bem. Eu ainda não estava em parto ativo que é a partir de 5cm. Ela nos disse então que ia esperar com a gente mais uma hora pra ver se evoluía. Pra mim o tempo parecia estar diferente. Era mais rápido e ao mesmo tempo devagar, bem sem explicação mesmo. Sei que ela voltou pra me checar de novo, e eu ainda estava com a mesma dilatação. Ela falou que ia embora e que era para o Leo ligar de novo quando minhas contrações ficassem mais “verbalizadas” ou quando ele visse algum sangue.

E as contrações ficaram diferentes mesmo. Eram mais intensas, parecia bem mais difícil de me concentrar. Eu sei parir, meu filho sabe nascer. I’m the one with the force and the force is with me. Comecei a verbalizar cada contração, não conseguia só respirar fundo, eu tinha que gritar, que chorar, que mudar de posição. Léo diz que eu até pedi pra desistir, pra me levar pro hospital e me dar anestesia, mas eu não lembro, o que é bem bizarro, porque só lembro de pensar que eu ia conseguir.

E ficamos nisso um bom tempo. Eu não tinha ideia de que horas era, ou de quanto tempo eu estava ali. Vi amanhecer, lembro de as vezes ver as pessoas comendo, falando, mas eu não estava realmente presente.

No meio de uma contração ouvi minha mãe avisando o Léo que tinha sangue. Liga pra Alexia, avisa que tem sangue, ela fala comigo, eu mal conseguia falar, eu tinha a impressão que não tinha mais intervalo entre uma contração e outra. Ela disse que estava voltando pra me checar.

Eu não tinha expectativa nenhuma. Quando ela chegou, depois de checar os batimentos do Marvin, ela me pediu pra ver como estava a evolução e eu lembro de já esperar que ela falasse 4cm, porque apesar da dor ter ficado mais intensa, na minha cabeça poderia ser muito pior. E aí veio a boa notícia, eu já estava com 8 a 9cm de dilatação. Eu ri e sorri, eu chorei. Eu fiquei feliz, aliviada, meu corpo todo relaxou, e pra mim algo que parecia uns 10 minutos depois, eu comecei a sentir vontade de fazer força. Alexia me pediu pra esperar, ela já tinha ligado pra midwife extra (sempre é uma pra mãe, e uma pro bebê, que só vem quando já tá quase na hora de nascer), e ela começou a preparar tudo. Isso era por volta de 9:30 da manhã.

Eu tava muito preparada para as contrações. Mas eu não estava nada preparada para o expulsivo. Quando as outras midwives chegaram, e a Alexia me disse que eu poderia fazer força quando sentisse vontade, eu vi que eu não entendia direito onde fazer a força. Comecei a ter vontade e a tentar empurrar, mas era muito confuso pra mim onde eu tinha que concentrar a força.

Tentei diferentes posições e nada era confortável. Comecei a ficar cansada, bem cansada. As dores mudaram, eu sentia o Marvin, mal conseguia fechar a perna, minha sensação é que ele tava quase saindo.

Depois de tentar empurrar muito ainda na cama, e sem sucesso, Alexia sugeriu que eu saísse dali, fosse para o chão. O problema era me movimentar no meio das dores, daquela vontade de fazer força e no meio de tanto cansaço. Eu tava exausta! Fui para o chão, tentei ficar em pé, de cócoras, tudo sem sucesso. Eu me sentia muito fraca pra tudo. E ai deitei ali no chão mesmo, e a Alexia começou a me instruir em como respirar, como fazer força e como segurar meu corpo em cada contração que vinha.

Pra mim tudo aquilo era de longe a parte mais difícil. Mas, em uma das forças a Alexia me falou, Marcela, eu to vendo a cabeça dele, mas quando a contração acaba ele tá voltando, você precisa fazer mais força! Acho que se teve algum momento que duvidei realmente se eu ia conseguir, foi esse. Eu não tinha mais energia, estava realmente esgotada. Mas, eu continuei, tentei fazer tudo que ela me falava.

Hora de verificar os batimentos do Marvin. Os batimentos estavam ficando mais fracos, e eu sabia que ou ele nascia, ou eu ia ter que ser transferida para o hospital. A Alexia me olhou e falou: ele precisa sair agora! Eu tentei, e tentei de novo. Fazia força, tentava seguir as instruções, mas não conseguia. E aí ela me falou a palavra que eu mais tive medo durante toda minha gestação: episiotomia. Meu filho precisava nascer aquele momento. Foi necessária e aconteceu. E logo em seguida, as 12:54 da tarde do dia 7 de novembro, após fazer força mais uma vez, eu pude ver e sentir o meu bebê. Com 3.500g e 51cm, o Marvin nasceu.

DEPOIS

Nada no mundo pôde me preparar para o momento que vi meu filho pela primeira vez. Eu consegui. Eu pari. Ele era lindo, igual o pai dele. Um bebê grande, cabeludo e bochechudo. Nosso filho.

Ele chorou um pouco, falei pra ele que tava tudo bem e que eu o amava. Ele ficou em cima de mim, e ele tinha o melhor cheiro que eu já tinha sentido na vida, quase que viciante. Depois que o cordão parou de pulsar, Léo cortou, e ficamos ali, no meio de todo mundo, mas parecia que era só eu, o Léo e o Marvin. Como a gente conseguiu fazer aquele bebê tão perfeitinho? Pra mim existiu um amor que nasceu naquele momento. Um amor que eu nunca tinha sentido antes, profundo, incrível. Ele era o bebê mais lindo que eu já tinha visto na vida, e ele era meu, tinha saído de mim, e tava segurando meu dedos com a mãozinha fofa dele.

Depois da placenta sair, saímos do chão, fomos pra cama. Marvin fez a pega certinha, e fez um mamazão, o primeiro dele. Mas sobre amamentação e puerpério, vou tentar fazer outro post.

Parir é poderoso. Eu fiquei me sentindo como se tivesse poderes. Meu corpo pode tudo! Ser mulher é maravilhoso mesmo. Parir dói, cansa, mas juro, eu pensei que seria bem pior do que realmente foi. Eu tive meu parto natural e em casa como eu quis. E tive durante o tempo todo apoio e amor do Léo, fizemos isso juntos, e como durante toda minha gravidez, no parto também não me senti sozinha em nenhum momento.

Falei pra todo mundo enquanto Marvin mamava aquela primeira vez, que eu vou ter outro filho. Sem nem saber direito o que vinha e ainda vem pela frente, quero passar por toda essa sensação de novo.

Quando penso nas coisas que eu queria que fossem diferentes, penso que eu deveria ter me preparado mais para o momento de fazer força assim como me preparei para as contrações. A episiotomia foi difícil pra eu aceitar, mas entendi que foi necessária, e hoje, completamente cicatrizada, vejo que não foi nada demais, que não ficou nenhuma marca, e principalmente, que não foi uma violência obstétrica. Eu continuo mulher, muito mulher na verdade. E também me arrependo de não ter contratado uma fotógrafa pra esse dia, tenho pouquíssimas fotos, porque nosso plano do Léo fotografar obviamente não funcionou.

Demorei bastante pra conseguir terminar esse post, e sei que com certeza não consegui falar sobre tudo o que foi aquele dia. Mas, tá aqui, da melhor forma que consegui escrever, pra que eu tenha esse registro, esse texto sobre o dia mais incrível da minha vida.

Que delícia ser mãe desse menino.

[primeiro retrato que o papai fez da gente]

[Marvin com 40 dias ❤️]

2 comentários sobre “{Meu relato de parto}

  1. Parabéns.Seu neném é lindo!
    DEUS abençoe muito sua família e seus dias.
    Sucesso sempre.Grande abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s