Hoje.

Hoje eu to aqui sentada num café no centro de Montreal, esperando minha amiga pra gente sair pra jantar, ouvindo uma musica, pensando na vida.

Até parece um dia bem normal da vida que eu costumava ter. Exceto pela culpa, que tá sentada aqui na cadeira do lado.

Não importa, eu sei que Marvin tá bem, tá em casa com o pai dele, provavelmente correndo, falando horrores e brincando. Mesmo assim eu me sinto mal por estar aqui, “fazendo nada” sendo que eu poderia estar lá com eles. Penso que o Léo já faz tanto, e que talvez eu não esteja sendo justa, afinal ele também faz dupla jornada. Fico pensando que talvez seria melhor eu voltar logo, pra que o Marvin não sinta muita falta, e juro, mais um monte de coisa se passa na minha cabeça agora.

E aí to aqui hoje, depois de uma noite sem dormir porque o bebê só quis ficar mamando à noite toda, pensei em voltar direto pra casa, mas a real é que eu preciso aprender a ter esses momentos só meus. Ou faço isso ou eu não dou conta. Ou faço isso ou o tempo que eu passo com meu filho não é de qualidade.

Eu que sempre fui ansiosa e complico tudo, ainda não me adaptei totalmente as demandas que a maternidade exige de mim. No fim, eu sei que Léo tem razão em dizer que eu preciso ser mais leve no meu maternar, que preciso entender que eu muitas vezes sou tudo o que o Marvin quer, e que tudo bem.

No fim eu sempre acabo frustrada. Se eu quero que Marvin durma cedo pra que eu possa resolver tantas coisas que preciso, óbvio que vai ser o dia que ele não quer dormir, e aí fico chateada. Mas quando ele dorme, fico mal por não ter aproveitado o tempo que eu tive com ele da forma que eu deveria. Frustração contínua de coisas que não posso controlar.

Aliás, tá ai o problema, a minha mania de querer controlar tudo o tempo todo, assim eu sei o que esperar e como agir em todas as situações. Ter um filho tá sendo um chacoalhão da vida todo dia pra me lembrar que eu não controlo nada na real.

E olha só, escrevendo aqui, eu pensei que talvez eu só devesse mudar o foco. A única coisa que eu posso realmente controlar é como me sinto e como eu penso sobre as coisas que acontecem. Então talvez eu só precise lembrar disso o tempo todo, especialmente nos dias que o cansaço me consome e eu me pergunto onde eu fui me meter.

Escrever hoje foi quase ter ido na terapia, e isso é sempre bom.

Então vou lá continuar esperando a amiga, vou aproveitar meu tempo com ela, tentando não me sentir culpada por não estar com meu filho, e depois chegando em casa eu vou poder aproveitar melhor meu bebê tão falante e sorridente.

Respira, não pira, como essa amiga já me disse uma vez.

Feliz 2019 pra mim.