2015

Ainda não é o último dia do ano, mas é o penúltimo. E amanhã, eu pretendo não ficar aqui pensando em tudo que tenho pra falar desse ano.

2015 na minha vida fica como o ano mais difícil, mas também um ano bem feliz e real.

Na verdade, eu divido esse ano em dois. Teve 2015 de janeiro até fim de abril, e a partir daí um outro ano. E esse primeiro foi incrivelmente difícil em um milhão de maneiras diferentes.

Mas, quando tudo se ajeitou, que foda que esse ano foi. Quando conversar adiantou, quando tudo que precisava ser dito, mudado, ajeitado, construído, foi feito, começou um dos anos mais legais de todos os tempos.

E é nele que estou hoje.

Sempre que chega finzinho do ano, eu fico quietinha, pensando em tudo que passou, que eu vivi, nas pessoas que estão na minha vida agora, nas que estão quase saindo, nas que estão chegando, nas pessoas que eu vou levar pro resto da vida como amigas, penso na minha família, no inverno, na Molly, no Fred.

Como eu senti e ainda sinto saudade do Fred. Ainda dói, como se ele tivesse acabado de ir embora. Saudade dessas de chorar muito.

Tem gente que tá quase saindo de vez da minha vida, e pra elas o meu obrigada pelas risadas e momentos que compartilhamos, mas tem diferenças que não convivem juntas mesmo. Isso inclui até momentos da vida. As pessoas vem e vão, e faz parte.

Tem algumas poucas pessoas que hoje eu sei o quanto são essenciais. E essas, eu quero que sempre estejam comigo.

Eu to quase me formando. Tá tão perto que é praticamente palpável. Eu to conseguindo. Recuperei no verão e outono a matéria que eu tinha reprovado, vou me formar no tempo esperado. E a partir daí outros sonhos sendo realizados.

Foi nesse ano que surgiu um dos maiores projetos da minha vida, que me dei conta que to com 31 anos, que criar expectativas só me fazia mal, que ansiedade acaba comigo a ponto de não respirar, e que sonhos loucos podem ser compartilhados.

E também entendi que o que eu acredito em política é diferente do que eu imaginava ser, e por isso mudei minha visão política, e to tentando estudar ainda mais sobre isso.

Foi nesse ano que eu nadei no mar quente de Porto de Galinhas, que eu comi pão francês de manhã com manteiga, que eu passei noites em claro rindo, conversando, jogando com meus amigos. Que eu vi bambis soltos, bem de pertinho. Que eu pendurei todos os quadros na casa.

2015 foi um ano muito EU. Mas que foi muito um ano EU+VOCÊ. E que deu tudo certo.

Que 2016 venha cheio de energia positiva e concretizações. Que seja um ano bom e feliz.

Meio clichê, mas tá ai 365 oportunidades pra fazer o que a gente quiser.

Feliz ano novo!

{a foto é do marido, no dia do meu aniversário de 31 anos}

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s