boca

ela então se sentia com os olhos vendados. encostada em uma parede ela ouvia aqueles passos de longe e pensava: é ele.
ele a levou correndo, no tumulto a olhou, se aproximou (…)
a respiração era forte demais até para o barulho da rua. (…)
quando chegou no canto, ela pode então tocar a boca que tanto desejava, e quando o fez tudo se resumiu ali, no beijo, na falta de folego, no toque. 
(…)
nada mais sentia.
(…)
te espero. ele a esperou no carro. era a boca, só podia ser.
o olhar era penetrante. cada vez que ela o via de longe uma risada surgia em seu rosto, aquela boca.
(…)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s